Frase da Semana


"Conhecimento é saber que a rua é de mão única, sabedoria é, de qualquer forma, olhar para ambos os lados antes de atravessá-la."

A boneca REMCO

A marca REMCO era um sucesso. Não é minha intenção difamar a marca ou seus brinquedos... Apenas quero contar minha história.


No ano de 1988 uma nova boneca estava no mercado, chamada “Baby Laugh a-lot”. Sua função principal era gargalhar quando o botão em seu peito era acionado. Enquanto ria, se mexia na cadeira e não parava de rir. Nessa época, era novidade ver uma boneca fazer esses movimentos tão naturais. Eu era uma menina cheia de caprichos, quando vi o comercial, corri até minha mãe para lhe pedir que me comprasse a boneca. Sempre fomos muito humildes e, para falar a verdade, agora me sinto grata por não ter tido tanto dinheiro...

Muitas amigas minhas me disseram que seus pais lhes comprariam a boneca, eu ficava morta de inveja, mas fingia estar feliz por elas. E assim foi, minhas amigas conseguiram a boneca e vieram me mostrar ainda no pacote, eu pedi para brincar com elas, mas as meninas se mostraram egoístas e negaram meu pedido.

O seguinte não me lembro com clareza... Era apenas uma criança e não consigo explicar tudo que aconteceu... Mas sei que foi na tarde de 14 de março. Notei que o comercial da boneca não estava mais sendo transmitido na tv.

Emma, uma de minhas amigas, ficou muito doente. Minha mãe disse que ela estava gripada, mas pela janela da minha casa eu vi chegarem muitos carros e homens vestidos com batinas saindo deles. Eu sabia que não era uma simples gripe, mas ninguém queria me contar a verdade.

Pouco depois, fiquei sabendo que ela havia caído em um transe esquizofrênico, no qual não conseguia para de rir em gargalhadas. Seus pais estavam aterrorizados, totalmente desesperados para encontrar uma explicação, mas a situação começou a piorar quando Emma passou a sangrar pelo nariz e ouvidos.

Tive a oportunidade de visitá-la e me surpreendi com o que vi... Estava quase morta! Não parecia uma menina de 10 anos, mas uma pequena anciã presa a todo tipo de artefatos médicos. Olhei seu quarto e encontrei a boneca em seu criado-mudo, parecia que  observava atentamente cada delírio e riso repentino que Emma tinha.

Uma semana depois, vi chegar um grande carro preto na casa de Emma, e minha mãe disse que ela não voltaria da viagem. Depois disso foi Rose, outra amiga minha, que começou com delírios, acordou à noite gritando que a boneca queria levá-la e então começou a gargalhar e bater a própria cabeça contra a parede, deixando manchas de sangue impossíveis de limpar. Também pude visitá-la, sua cabeça estava cicatrizando e mesmo que seus pais tivessem pintado a parede, ainda pude ver as manchas de sangue. E da mesma maneira, senti o olhar da boneca.

Não soube mais de Rose, sua mãe a levou para a casa de seus avós, onde ela teve o mesmo fim que Emma. Mas antes de morrer, deixou a boneca na porta da minha casa. Minha mãe a pegou e guardou em cima do closet do meu quarto.

À noite, escutei um barulho de madeira oca e logo pude ver que a boneca se mexia em sua cadeira. Pulei da cama e saí correndo, por causa do susto, caí das escadas e acabei em um hospital, com o braço esquerdo fraturado e feridas pelo corpo. Falei para minha mãe que não queria a boneca, pedi que a queimasse, mas ela se negou. Quando cheguei em casa, peguei o álcool etílico e um isqueiro, enxarquei a boneca com o álcool e a vi arder na minha frente. Enquanto ela queimava pouco a pouco, eu escutava suas risadas. Durante 4 anos sua risada não saiu da minha cabeça, 4 anos de terapia psicológica.


Texto retirado de MedoB 

0 comentários: